quarta-feira, 1 de julho de 2015

Armando Monteiro: "Estamos assinando acordos substantivos com os EUA"




Washington - Encerrando nesta quarta-feira (1º) uma intensa agenda de negociações nos Estados Unidos, iniciada no sábado, o ministro Armando Monteiro, do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, destacou o esforço do governo brasileiro para facilitar o acesso de produtos nacionais ao mercado norte-americano, que já é hoje o maior importador de manufaturas do nosso país.

Durante sua passagem por Washington, acompanhando a presidente Dilma Rousseff, o ministro esteve com o presidente Barack Obama e disse estar animado com os acordos negociados: “Estamos assinando aqui nos EUA acordos substantivos na área de facilitação de comércio, na harmonização de normas técnicas e convergência de padrões para remover barreiras que hoje impedem mais acesso de produtos brasileiros ao mercado americano”.

Nos últimos dias, Armando Monteiro manteve encontros com o alto escalão do governo norte-americano, sobretudo com a Secretária de Comércio, Penny Pritzker, com investidores do mercado financeiro, representantes do setor produtivo dos EUA e do Brasil que têm interesses no mercado norte-americano.

domingo, 28 de junho de 2015

Delegados da PF vão entregar seus cargos como ato de protesto


Ato começa amanhã como forma de pressionar o governo a atender reivindicações sem interromper as investigações.
 
A presidente Dilma Rousseff e seu ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, terão um novo problema para resolver assim que retornarem dos Estados Unidos, já que desafia também o ajuste fiscal do governo. Delegados da Polícia Federal (PF) iniciam amanhã um protesto com a entrega de todos os cargos de confiança em razão do não atendimento das reivindicações da categoria. Essa foi a alternativa encontrada pelos federais para protestar e evitar uma paralisação das atividades, de acordo com o presidente da Associação dos Delegados da Polícia Federal (ADPF), Marcos Leôncio.

Segundo o dirigente, o abandono dos cargos de chefia terá início pelas delegacias do interior, passando pelas superintendências da PF nas capitais, até chegar ao edifício-sede da corporação, em Brasília. “Na nossa concepção, a greve em si, a paralisação das atividades, não beneficia nem os delegados, nem a PF e muito menos o Brasil, somente aqueles que estão sendo investigados ou os malfeitores de uma forma geral. Portanto, decidimos seguir com nosso protesto sem interromper nenhuma investigação”, afirmou.
 
O delegado Marcos Leôncio explicou que o protesto foi aprovado por mais de 50% de todos os delegados associados à ADPF. Além daqueles que deixam os seus postos de chefia, segundo o presidente, existe o compromisso dos colegas de recusar a substituição da posição. A expectativa é que a direção-geral da PF intervenha junto ao governo para atender a expectativa da categoria. Além de reajuste de 37% em três anos, os delegados reivindicam a criação de pelo menos 5 mil cargos administrativos, o pagamento do adicional de fronteira, aprovado desde 2013, e a criação de gabinetes de investigação, com um delegado, um escrivão e dois agentes, para agilizar os trabalhos.
 
DECEPÇÃO Na última quinta-feira, o governo reuniu todas as entidades de classe representativas dos servidores federais e apresentou proposta de reajuste, que inclui a PF, de 21,3% para pagamento em quatro anos. A proposta é a concessão de 5,5% em 2016, mais 5%, em 2017, 4,75% em 2018 e no ano seguinte, encerrar com 4,5%. Muito longe das expectativas dos delegados federais, Marcos Leôncio disse que o percentual de reajuste apresentado sequer é capaz de cobrir a inflação do período, que chegou este mês a 8,6%. “Hoje, os delegados da Polícia Federal ganham menos que um delegado da Polícia Civil do Piauí, um estado carente. Lá, o valor é de R$ 25 mil mensais, contra R$ 22 mil da PF. Outros 14 estados também têm piso salarial superior ao da nossa corporação.”
 
Nem mesmo o aperto dos cintos promovido pelo reajuste fiscal é capaz de inibir os delegados, especialmente, em tempos de Operação Lava-Jato, que já está em sua 14ª fase, com prisão de políticos, doleiros, donos de grande empreiteiras, entre outros, suspeitos de abocanhar os recursos da Petrobras. E Marcos Leôncio tem uma explicação na ponta da língua para isso: “O verdadeiro ajuste fiscal quem está fazendo somos nós, delegados federais, por meio da Operação Lava-Jato. Basta verificar o balanço da estatal para comprovar a importância do nosso trabalho”. Ele diz que, na década de 1990, um delegado federal tinha um salário equivalente ao do juiz federal. Hoje, em razão da defasagem, a equivalência é o quadro de analistas que apoiam os magistrados. “Fomos considerados uma carreira jurídica, mas sem equiparação com outras carreiras”, conclui.
 
AUTONOMIA Mesmo não fazendo parte das reivindicações, os delegados federais estão investindo ainda na aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 412/2009, que prevê a autonomia administrativa e financeira da Polícia Federal. O texto já está na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e tem como relator o deputado federal João Campos (PSDB-GO), que apresenta seu voto em agosto. “Vou votar pela admissibilidade da matéria, já que não ofende as regras da nossa Carta”, diz.
 
No entanto, Campos, que é delegado de Polícia Civil, diz que a PF, que é ligada ao Ministério da Justiça, não deve ter todas as autonomias. “Sou favorável à autonomia econômica e financeira, que viabilizaria mecanismos para um melhor aparelhamento com identificação das necessidades da corporação. Em relação à independência administrativa, com possibilidade de indicação do diretor-geral por meio de lista tríplice, Campos disse que isso é inconstitucional. “Estaríamos usurpando do Executivo o direito da livre escolha, mas isso é matéria de mérito para ser analisada na Comissão Especial”, explica ao afirmar acreditar que a matéria será aprovada na CCJ.
 
O que eles querem
Reajuste de 37%, em três anos
Criação de 5 mil cargos administrativos até 2018
Pagamento da indenização de fronteira, aprovada desde 2013
Criação dos gabinetes de investigação criminal para agilizar as investigações
 
Fonte: Associação dos Delegados da Polícia Federal (ADPF)
 
Blog Araripina Fatos em Fotos.
 

quinta-feira, 25 de junho de 2015

MANIFESTANTES COBRAM DO MPF SOBRE A OPERAÇÃO PARADISE

"A operação Paradise não vai dá em nada"?
"Procuradora: cadê as denúncias"?
"Corrupção vale a pena"
"O Ministério Público vai ficar parado"
"A Polícia Federal e a CGU estão erradas"?

Essas foram algumas das perguntas que os manifestantes queriam as respostas.
 
Porém, a procuradora não respondeu a nenhuma das perguntas, se limitou apenas a receber um dos manifestantes e dizer que os inquéritos correm sobre segredo de justiça.
 
A procuradora do Ministério Público Federal(MPF) em Salgueiro(PE), se esquivou de se pronunciar efetivamente sobre o andamento do inquérito da Operação Paradise coordenada pela Polícia Federal e CGU em Pernambuco que deflagrada no dia 7 de maio.
 
Para um pequeno grupo de manifestantes da cidade de Araripina município alvo da ação que se aglomeraram em frente ao órgão na manhã da última terça-feira (23) para pedir posicionamento do MPF em relação às denúncias partidas da Polícia Federal e Controladoria Geral da União(CGU) revelando desvio de verbas oriundas do Ministério da Educação dentro da prefeitura de Araripina, no Sertão do Estado.

Numa manifestação pacífica e silenciosa, os doze integrantes do ato, empunhavam, em frente ao prédio, cartazes defendendo a condenação dos envolvidos no esquema e pediam maior agilidade na tramitação dos inquéritos.
 
O protesto foi acompanhado por setores da impressa local e de Araripina.

O líder do movimento, Rodrigo Silva, foi chamado para conversar, em sala reservada, com a procuradora do MPF, Maria Beatriz.
 
Segundo ele, a procuradora teria dito que, pelo motivo de o inquérito correr em sigilo, ela não poderia se pronunciar ou dar detalhes.
 
"O processo está 'andando' normalmente", teria dito Beatriz.

A procuradora não permitiu a presença da imprensa no interior da sala onde houve o diálogo e também não quis dar esclarecimentos aos jornalistas.
 
A manifestação durou cerca de 40 minutos.
 







Blog Araripina Fatos em Fotos.

domingo, 21 de junho de 2015

VEM AÍ, UM GRANDE PROJETO NA BARRAGEM DO ESTREITO-PI. AGUARDEM!!!

 

Blog Araripina Fatos em Fotos.

DR. AGAMENON BRAZ REALIZA GRANDE SÃO JOÃO EM SUA CHÁCARA

O amigo e colega de trabalho do SESI-Araripina, Dr. Agamenon Braz, realizou ontem 19/06 um grande São João em sua chácara.
 
Agamenon como sempre faz todos os anos, convida os amigos e colegas de trabalho para o São João em sua residência, muita comida típica, muita alegria e uma quadrilha "de São João" improvisada foi realizada.
 
Vejam as fotos:






















































 
Blog Araripina Fatos em Fotos.